O pôr do sol de Lúcia no Anhangabaú

Lúcia saiu de casa para estudar. O dia estava cinza, o sol se esqueceu de São Paulo neste dia. Nas ruas havia uma beleza única em cada pessoa que se passava por ela. Pensamentos sobre uma vida rural e sobre como ela vivida em harmonia com a natureza seria mais vantajosa passavam e cobriam-na de ideias sobre a negação de certos desfrutes da revolução industrial internacional contemporânea. Em um metrô via que, apesar de seu desemprego e do que dizem sobre uma crise econômica, todas as pessoas eram incrivelmente bonitas, aparentando serem mais bonitas que há anos atrás.

Uma amiga uma vez a perguntou:
-Desde quando as pessoas dessa cidade estão tão lindas? Desde quando esse lugar é tão legal?
Enquanto admiram a Praça Roosevelt sob alto teor alcoólico sanguíneo.

Fora ao Poupatempo horas antes, de todos os descasos do governo tucano, este órgão era minimamente eficiente. Talvez exista um quê de beleza na burocracia racionalista-weberiana. Tratou todas as pessoas como deveriam ser tratadas, seus concidadãos in demos, como seres únicos e especiais no universo.

Todas as cenas que Lúcia via pelas ruas ou tuneis do metrô eram dignas de uma bela fotografia. Dois jovens africanos disputavam para carregar, brevemente, pelo menos um pouco de seus aparelhos celulares numa tomado do metrô, sob o olhar vigilante de um casal de seguranças metroviários acima do peso, conversavam caminhando. Um casal simulava uma treta por um pedaço de sorvete caro. Os vendedores de fotos 3×4 sempre muito insistentes e pouco eficientes em detectar pessoas que realmente precisam de fotos 3×4.

Os edifícios todos eram uma obra artística de renomado valor caminhando para Sé. Mesmo aqueles mais antigos e abandonados, fundiam-se a grafites que enfeitavam a luta por moradia digna no centro. Os moradores de rua faziam sua própria poesia de sobrevivência, com suas cobertas acinzentadas, dormiam em monumentos, servidos de doações invernais.

O jovem casal Cheng Bo e Lei Feng optaram por andarem abraçadinhos do trabalho até em casa. São Paulo estava sob um curto dia de inverno montanhoso. Os pixos gritavam sobre as antigas igrejas e palacetes dotados dos famosos pisos térreos tão lusitanos. Nesse dia nem até a PM desistira de causar confusões. No vale do Anhangabaú dezenas de populares agasalhados desfrutavam do prazer da erva fumada, num fim de tarde eventualmente iluminado de rosa pelo Viaduto do Chá. Uma tarde discreta, mas cheia de energia.

Estava pronta para estudar. Talvez andaria até a Mário de Andrade. Talvez perambularia pela Praça Roosevelt. Talvez voltaria para casa e tiraria uma soneca. Já anoitecera e a noite era uma criança, como sempre.

Anúncios
O pôr do sol de Lúcia no Anhangabaú

2 comentários sobre “O pôr do sol de Lúcia no Anhangabaú

  1. Bárbara disse:

    Não sei qual foi a última vez que escrevi um comentário num blog, ou em qualquer lugar, na verdade neste momento percebi que minha preguiça das pessoas e de tudo me impedem de ler coisas legais e conhecer de fato o outro. A descrição ficou ótima, me sinto exatamente assim quando vou ao centro, talvez com um pingo a mais de nostalgia.
    Um abraço.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s